Invista neste Hormônio Natural

Invista neste Hormônio Natural

UMA DIETA BEM PLANEJADA AJUDA A COMPENSAR A QUEDA DO ESTROGÊNIO A PARTIR DOS 40 ANOS, ALIVIANDO SINTOMAS E PREVENINDO DANOS À SAÚDE FEMININA –

Passada a celeuma provocada no mês de julho pelo respeitadíssimo Jornal da Associação Médica Americana, de que a terapia de reposição hormonal poderia aumentar o risco de câncer de mama, infarto e derrame, a busca por alternativas naturais para melhorar a qualidade de vida na menopausa é cada vez maior.

Caprichar na alimentação é a primeira medida acertada para quem deseja aliviar os sintomas desse fase difícil. Com relação a isso, estudos populacionais revelaram uma baixa incidência de câncer de mama nos países do Oriente – apenas 4 a 5 em cada 100 mil mulheres da Coréia morrem em decorrência de tumor nos seios, enquanto nos estados Unidos a taxa de mortalidade é 1 para cada 35.

Japonesas, chinesas e coreanas também sofrem menos de osteoporose e só 25% delas reclamam de ondas de calor e outros sintomas típicos da menopausa contra 85% das americanas. O que a alimentação tem a ver com isso? Bem, os índices menores de doenças foram atribuídos a um alimento originário da Mandchúria, na China, e consumido em larga escala nos países orientais: a soja.

Pesquisas feitas em várias partes do mundo, inclusive no Brasil, mostram que o grão colabora no controle do colesterol, alivia as queixas decorrentes da falta do estrogênio e pode fortalecer os ossos, com a vantagem de que talvez proteja você em como aumentar os seios contra tumores.

O ginecologista Kyung Koo Han, do setor de Climatério da Escola Paulista de Medicina/Unifesp, tratou 80 pacientes com isoflavona da soja: 85% tiveram melhora nas ondas de calor, dores de cabeça e insônia. Esse trabalho foi publicado em setembro na revista Obstetrics & Gynecology, editada pelo Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas.

O responsável por esses benefícios é a isoflavona, composto de origem vegetal com estrutura química semelhantes à do estrogênio, daí o nome fitoestrogênio. Só que exerce uma ação mais suave do que o hormônio humano, explica a nutricionista Tânia Rodrigues, da RG Consultoria Nutricional, em São Paulo. “ Quando absorvidas pelo organismo, as isoflavonas regulam as taxas do hormônio: suprem a falta, prevenindo os problemas relacionados à carência – sintomas de menopausa, osteoporose, doenças cardiovasculares,,, – , e reduzem o excesso, inibindo o crescimento celular e a proliferação de tumores induzidos pelo estrogênio humano.

Comprimidos de isoflavonas já estão sendo empregados como alternativa à reposição hormonal. Mas ainda restam dúvidas quanto às doses mais seguras e eficazes, além de possíveis inconvenientes. Não se sabe, por exemplo, se o uso de tais cápsulas é 100% seguro para quem possui histórico ou for de risco importante para câncer de mama (mãe ou irmãs tiveram a doença).

Enquanto os cientistas não esclarecem essas dúvidas, faça como as orientais: ponha soja na alimentação. Consuma diariamente grãos ou derivados, como missô(pasta fermentada), tofu(queijo de soja), kinako(farinha de soja) e tempeh(bolo fermentado de soja). Eles podem ser encontrados em casas de produtos naturais.

Há outros vegetais ricos no hormônio natural: ginseng, brotos de alfafa e de feijão, aipo, erva-doce, anis, alcaçuz, ruibarbo, amêndoas, cravo-da-índia, sementes de linhaça, cará, inhame e folhas de amora. Reserve um lugar para eles no cardápio. Outros cuidados

Além de incluir soja na sua dieta, a mulher pode lançar mão de estratégias para proteger a saúde e atravessar essa fase da melhor maneira possível. São elas:

  • Largar o cigarro

Pode antecipar em até dois anos a parada da menstruação, além de arrasar as artérias, aumentar o risco de câncer e prejudicar o esqueleto.

  • Praticar atividade física com regularidade

Os exercícios melhoram a função cardiovascular, estimulam a reconstrução dos ossos, auxiliam no controle do peso, diminuem a tensão e ainda liberam substâncias que proporcionam bem-estar. “ São grandes aliados da mulher nessa fase” , garante Eliano Pellini, que dirige o setor de Ginecologia Endócrina da Faculdade de Medicina do ABC (SP).

Exercite-se de três a quatro vezes por semana, se possível intercalando atividades aeróbicas (natação, caminhada ou bicicleta; excelentes para o coração) com as de força (levantamento moderado de halteres, para deixar músculos mais resistentes).

Mas é importante também adquirir hábitos capazes de prevenir doenças e evitar o temido ganho de peso (lembre-se: o metabolismo fica mais lento com os anos). Tome as seguintes providências:
Coma verduras, legumes e cereais orgânicos ou integrais, diariamente.

Os refinados perdem nutrientes que seriam úteis nessa etapa. Lembre-se de diversificar as fontes de cálcio para fortalecer seus ossos: leite e derivados, peixes enlatados(sardinhas com espinhas), verduras e legumes verdes, ervilhas, feijões e frutas secas.

Diminua o consumo de gordura sobretudo de origem animal (principal fonte de colesterol). Protege seu coração e evita ganho de peso. Consuma no mínimo duas frutas frescas por dia. São ricas em nutrientes e podem driblar a compulsão por doces, comum nessa fase.

Reduza o consumo de café, doces e refrigerantes. Além de roubarem nutrientes como o cálcio, esse cardápio típico do lanche da tarde pode fazer você engordar. Atenção!
Fonte: Revista Dieta Já! – ano 7 – nº74 – novembro 2002

Leia também: http://comoaumentarosseios.club/como-fazer-crescer-os-seios-com-alimentos/

Esta entrada foi publicada em 31 de agosto de 2017, in blog. Crie um bookmark para o link permanente.